16 de abr de 2014

Então o Senhor quer ter uma escrava?



Temos refletido muito aqui no blog sobre o papel da escrava submissa.

Sobre seus deveres, seus poucos direitos, suas aspirações. Temos refletido sobre o que nos determina a nossa postura. Há momentos em que somos até muito duras conosco no que diz respeito a essa postura, quando nos cobramos coerência.

Mas, e a outra parte? É sabido que quem tem ou quer ter uma escrava precisa, antes de mais nada, saber se possui as características adequadas para ser Dono. E Dono e Dominador são nomenclaturas diferentes para Tops diferentes. O Dominador domina. O Dono possui. Ora, não se Domina aquela que se possui, porque se possui, é sinal que já houve um Domínio. Então, o Dono “comanda”.

"O Dominador é caracterizado pela prática de subjugar escravas, podendo assim obter delas a obediência e a dedicação que almeja, além da entrega de seu corpo"... (Jota SM)

Dono é aquele que já tem a posse da escrava e por consequência cuida, orienta, comanda, conduz...

" "Dono” é o mais completo e grandioso termo usado para definir um praticante ativo dentro do BDSM. O Dono é aquele que não só dominou a escrava, não só a educou, disciplinou e descobriu-a, mas é aquele que A TEM.

Sua escrava não é simplesmente uma escrava, é "A" escrava. Não é uma sub, e sim a sub DELE. Ele não tem a sua posse restrita às sessões como o Dominador, pois sua posse extrapola os limites físicos do BDSM e adentra nos sentimentos, pensamentos, personalidade e convicções de sua sub.

A escrava não é escrava sem ele, mas com ele não tem sequer a posse do próprio corpo, que já ofertou a seu DONO, bem como sua mente se volta não para a prática do BDSM (num agrado passageiro àquele que a subjugue numa sessão ou numa cena), mas à dedicação e obediência constante àquele que a conquistou de corpo e alma."(Jota SM)


Então vem a grande questão: o Senhor está preparado para uma entrega de tal nível?

Muitos Dominadores hoje em dia reclamam da escassez de escravas. Há mais exigências que subserviência, mais modismo que submissão. Mas quantos estão realmente dispostos a adestrar, orientar, lapidar uma escrava a fim de serví-los?

Quantos estão dispostos ao compromisso de dar uma coleira sabendo que seu nome estará representado ali, naquela submissa educada por eles? Quantos honram seu próprio nome a fim de deixar orgulhosa a escrava que o porta na coleira?

A desvalorização da submissão não tem um fim em si mesma. Ela tem vários motivos e grande parte deles vem da falta de seriedade e comprometimento na dominação. Na falta de coerência entre o que se diz e o que se faz. Na falta de conhecimento daqueles que se dizem Dominadores mas pouco sabem da arte de dominar e nos que se dizem Donos e nada fazem para conduzir.

Fenômenos dos tempos modernos, a facilidade em se dizer Dono sem ter consciência do que isso representa tem sido um grande motivo do desencanto das submissas também pois estas, mesmo as mais experientes, dependem da orientação do Dom a quem servem/pretendem servir.

E quando ele não orienta?

Quando não conduz?

Quando não faz com que a submissa sinta-se posse?

Ele pode se considerar Dono?

Não é nossa intenção criticar posturas, a Dominação é algo que respeitamos acima de tudo dentro da hierarquia vigente no BDSM... mas, se por um lado há muitos Dominadores lamentando a falta de submissas verdadeiramente comprometidas com o ofício de servir, há por outro lado muitas submissas lamentando a falta de Dominadores que orientem, que cuidem, que se disponham a adestrar, ensinar, moldar.

Toda relação é uma via de mão dupla, mesmo as hierárquicas, só funcionam se cada um cumprir de fato seu papel.

É mais fácil usar sem estas responsabilidades, há "submissas" para todo tipo de uso, inclusive para fazer um sexo apimentado mas o verdadeiro sentido da D/s só se dá quando os dois se comprometem.



Amar Yasmine, a escrava encantada do SENHOR DIABLO

Vita_ST, feliz propriedade do Senhor da Torre




Próxima postagem:

Amor à submissão ou submissão por amor?

por nude

dia 19/04/2014

às 20h

11 comentários:

Cedna Steel disse...

Perfeito seu texto, Amar, como tudo que vc escreve!

"Sua escrava não é simplesmente uma escrava, é "A" escrava"... é exatamente essa frase que tenho ouvido de meu Dono ultimamente, e percebo a diferença que isso faz! É um divisor de águas, na verdade!

Qdo vc tb falou sobre o adestramento "Mas quantos estão realmente dispostos a adestrar, orientar, lapidar uma escrava a fim de servi-los?" é algo para refletirmos quanto ao papel do Dominador. A arte da dominação é trabalhosa, é minuciosa, demanda de nossos Donos tempo e dedicação e, quantos estão dispostos a isso?

Adestrar dá trabalho, sim, afinal, quem disse que dedicação é algo inerente apenas da submissa? Ambos nos dedicamos numa relação em via de mão dupla, são dedicações diferentes, é claro, mas nem por isso uma menos trabalhosa que a outra. A recompensa, porém, ao vermos os frutos desse trabalho, vale todos os sacrifícios.

{[eva]}_Lord Submissor disse...

Perfeito Amar e Vita, vocês falaram tudo quando disseram que é uma mão dupla afinal todo relacionamento é, ninguém Domina sozinho e ninguém serve sozinho.
E ambos são uma tarefa diária, dedicada de respeito mútuo, e realmente não é fácil servi imaginem Dominar, mas posso dizer que vale muito a pena!
Mas o importante é cada um saber qual sua posição e seus deveres e saber o que se busca, muitos se perdem dos objetivos.
Beijos barulhentos

ternura disse...

Mais um tema abordado repleto de consciência e voltado para a responsabilidade dos P/papéis escolhidos.....

Penso que:

Em se tratando de relacionamentos, mais precisamente a dois, penso que esses devem ter responsabilidades divididas, partindo do pressuposto que o sentido da relação é humana, então ambos devem caminhar no mesmo sentido buscando sempre cuidados e proteções para o bem estar do C/casal.

Agora quando o sentido for o prazer aí, em minha simplória interpretação sobre o tema, acredito que a via seja de mão dupla mesmo.

Parafraseando Mestre JotaSM, temos que : “o ideal é ser Mestre no prelúdio virtual e no desenvolvimento da escrava, Sádico/ Dominador na sessão e Dono em todos os momentos"….

Daí eu faço uma pequena reflexão:

Pq o maior devotamento é, quase sempre, da parte submissa da relação, qual a dificuldade e/ou dúvida dos Donos??

Nem vou enumerar todas as renúncias que fazemos em nome de nossa entrega, aqui uma explicação básica e lógica, sim, fazemos isso por livre e espontânea vontade e escolha, entretanto diante de tanta abnegação, acredito que merecemos um pouco de RESPEITO recíproco. E me atrevo a afirmar que não há perigo nem desmerecimento algum para os Donos demonstrar compaixão para com suas propriedades. Posso ir até mais longe, acredito que a grande maioria dos homens que se dizem Dominadores, gostam e precisam se sentir amados e queridos por suas peças, deixando a relação mais íntima e prazerosa.

Pq não vemos as mesmas determinações do Dono na relação, seria ‘imaturidade’ de assumir relação tão intensa??? Pq não se entregar em igual teor??

Pra mim tudo depende de quanto o DONO pretende se envolver (ENVOLVIMENTO) para assumir um relacionamento e todas as implicações contidas em uma relação tão íntima e tão intensa quanto a de POSSUIR.

Ora, nem mesmo a poligamia disfarçada com a alcunha de “irmãs de coleira”, consegue segurar relações, nós escravas submissas, seguramos o rojão, fazemos de tudo para o conforto, bem-estar e um acolhimento saudavel para a nova aquisição Dele. Mas as que chegam sem contexto algum com esse Universo exigem escolhas que são aceitas na ânsia do momento, desse modo, a escolha é feita e, ficamos sozinhas e perdidas com a desconstrução da relação.

Seria um problema de gênero mesmo??

Já li que, estudos comprovam que alguns homens têm dificuldades e muitas vezes, são despreparados para resolver e tomar decisões simultâneas nos vários aspectos da vida baunilha, quiçá escolher e assumir papel tão importante como o de Dominar, Orientar, Guiar e Conduzir outra pessoa, pontualmente, aqui a missão de POSSUIR.

No caso de uma D/s, na qual ELE é o DONO, teria que existir o querer somado ao gostar para a Construção de uma relação repleta de respeito, de confiança, de DOAÇÃO.

Meu intuito aqui, não foi de julgar, de apontar defeitos. Mesmo porque tenho RESPEITO pela escolha Dominante.

Procurei nessa singela reflexão, encontrar um ponto de equilíbrio e algumas respostas, contudo sempre me referi, a uma autêntica relação D/s, aquela que um Manda e o outro obedece, por meio de um consenso. R/relação que tem um COMANDANTE, um GUIA, um CONDUTOR, um MANDANTE que recebe o nome de DONO.

Desculpe a pitacagem 'post'...

Obrigada pelo belíssimo artigo.

@Amar e @vita deixo-lhes meus bjs de carinhos

Perséfone Core disse...

Repito o que disse no site:

Tal situação é algo pra ser sempre lembrado (como sabiamente vitinha conduziu).

Uma submissa só se entrega e é feliz/plena na sua servidão, quando, independente do que sente, percebe que Dono caminha junto, está perto, é seu amigo, amante e seu algoz.

Não existem fórmulas mágicas, apenas o desejo de A/ambos, de continuarem...

Ahhhh, e a trilha sonora gente! Novamente grudei no blog e não quero mais sair!!! Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

Beijos em todas!
{perséfone core}_DC

Amar Yasmine disse...

Querida menina Cedna Steel!

Feliz com sua presença aqui.

O trecho que vc elogia não meu pertence, é do Mestre Jota SM, um dos Dominadores chamados Dinossauros. Ele escreveu o livro "Submissão Concedida", muito interessante para novatas e antigas no meio como você e eu. Recomendo a leitura.

Tudo mais no texto, foi imaginado e redigido em conjunto por {Vita}_ST e por mim. Ela e eu temos a mesma visão e conversamos muito sobre o assunto. São muito enriqucedoras pra mim essas conversas.

Beijo, menina querida.. venha participar do blog. Ficaremos felizes.

Amar Yasmine
a escrava encantada do
SENHOR DIABLO

Amar Yasmine disse...

miEvAmada!

Que bela menina vc é. Estive olhando suas fotos e pensei: Eva parece uma boneca.. *:-)
Mas não é só a beleza física que chama atenção, tão jovem e vc tem também, e sobretudo, a consciência do papel escolhido, a seriedade ao vive-lo, a dedicação, o respeito, a cumplicidade.
Imagino o prazer de seu Dono ao te torturar e o orgulho em tê-la.

Você pontuou perfeitamente. É mesmo difícil se submeter, também Dominar. É assim em tudo na vida quando trafegamos pelo caminho correto.

Beijos admirados, menina querida! Venha sempre.

Amar Yasmine
a escrava encantada do
SENHOR DIABLO

Amar Yasmine disse...

miTernurAmada!

Estava lendo seu comentário, vendo seu avatar e pensando no quanto ele combina com a trilha do blog.. hehehe
Românticos que só os dois... seu avatar e as músicas.

Mas, vamos ao comentário. Não concordo que as responsabilidades devam ser divididas... não mesmo.

Na minha concepção de escrava submissa xiita nem devem ser. A única responsabilidade do Dono é não estragar seu brinquedo e até nisso penso que deverá haver muito da responsabilidade da sub em se cuidar pra não ser estragada.

Eu gostaria muito de pegar este seu comentário e publicá-lo aqui em forma de conversa, como {Vita}_ST e eu fizemos há alguns dias atrás. O que vc acha, menina querida, podemos?

Beijos de amor, Ternura!

Amar Yasmine
a escrava encantada do
SENHOR DIABLO

Amar Yasmine disse...

Ai ai, bela Perséfone!

É vc grudada daí e eu daqui... esses cinco ábuns do Rod Stewart, com as maiores sucessos da música norte americana são deliciosos.

As vezes fico aqui trabalhando no blog, fecho os olhos e me vejo com um vestido parecido com este do avatar da miTernurAmada, dançanco coladinha com meu DONO, num terraço de um prédio bem alto... depois de uma sessão de torturas... claro.. ai ai... *suspirando aqui*

Sabe, querida, no início da minha servidão ao DONO, algumas vezes ELE me perguntou sobre quais seriam os meus anseios. E eu sempre respondi a mesma coisa...

"Só anseio seu desejo e seu orgulho de ter a mim, DONO." Tudo mais assumo de bom grado. Acho que todas nós..

Beijos de amor, miPerséfoneAmada!

Amar Yasmine
a escrava encantada do
SENHOR DIABLO

{Λїtą}_ŞT disse...

Agradecimentos meus a vcs, meninas, que estão sempre enriquecendo este espaço com comentários e postagens.

Beijos

luah negra_propriedade de DOM JH disse...

Pois é , Amar...
Muito boa a sua explanação...é importante que ambos os lados dessa moeda sejam colocados , pois , uma está diretamente ligada a outra .

Se por um lado , a submissão é uma missão que muitas buscam e poucas são capazes de cumpri-la com afinco , por outro , a dominação é um dom que muitos desejam e poucos o possuem de fato .
Com tudo que temos visto , da para pensar que os maiores esforços dominantes estão sendo empregados na conquista inicial da escrava .
A dificuldade maior está na conquista diária , sem esta , a relação fica comprometida ou insustentável .
Essa conquista diária é mais uma questão de qualidade de Domínio , não se trata de atender aos desejos , vontades , carências e, menos ainda, de mimar , trata-se de atentar para as necessidades da escrava .
Ainda que a submissão gere expectativas e a maioria delas sejam contidas , o Domínio efetivo e constante é imprescindível à manutenção da relação .

É sempre muito bom vir aqui e encontrar ótimas colocações como esta , entre outras que compartilhamos .

Beijos em ti ,
luah negra_JH .

Luiisa Nude disse...

Atrasada, mas vim comentar este texto tão significativo para mim.

Eu vejo tanto por aí o desespero, a ansiedade de Dominadores em querer uma escrava/submissa, mas preocupo-me diariamente com esta busca incessante. A arte da conquista é tão linda e torna-se tão barata quando o mesmo não da continuidade ao encontrar sua menina.

O texto me faz refletir sobre como o Dominador direciona sua posse. Como ja dito, Ele não tem uma escrava e sim, A Escrava. Quem Este escolheu para lhe servir, satisfazer, enfim...

Quando se tem algo tão valioso é preciso (necessário até) que se de valor. A entrega é sinônimo de ter dado tudo de si e mais do que podemos dar.

Se queres uma escrava, olhe para dentro de si e pergunte-se: Eu mereço esta escrava?

Amar... texto perfeito.

Beijos