26 de jul de 2015

Christian Grey



Passado o dia 24/07, Dia Internacional do BDSM, assim criado em 2003 pelos proprietários do clube BDSM de Barcelona, Rosas 5, para celebrá-lo na data que corresponde ao símbolo usado para as relações 24/7, venho trazer ao nosso espaço o personagem que tornou-se muito importante no cenário do BDSM: Christian Grey. 
O assunto já está meio desgastado, mas devido a recente conversa com algumas iniciantes, achei necessário falarmos um pouco mais sobre ele.
Christian Grey acabou tornando-se mais famoso que o BDSM em si, mais conhecido, mais cobiçado, dominou literalmente a cabeça das mulheres. Todos os dias mais perfis de submissas são criados nas redes sociais, em busca desse personagem. Por mais que, envergonhadas, escondam essa realidade, é o que no fundo buscam, confessam algumas.



Mas quem é esse Christian Grey na vida real? Será que ele existe mesmo?
Na literatura, assim como na tela, Christian Grey é o protótipo do príncipe encantado. Lindo, rico, charmoso, cheio de glamour à sua volta, conseguiria submissas se arrastando a seus pés apenas com um estalar de dedos (pensando bem, será que ele precisaria mesmo desse pequeno esforço?).
Os Christian Greys da vida real não têm uma vida tão mansa. Eles superlotam os chats, as redes sociais, as festas e encontros BDSM em busca de uma submissa e geralmente não encontram.
Podem ser Josés, Paulos, Fernandos, Antônios, Pedros e até Amarildos...
Nem sempre sarados, alguns já ostentam uma barriguinha, cabelos grisalhos ou até brancos e há os que nem têm mais cabelos.
Outros, ainda, são muito jovens e inexperientes mas com potencial... e são também descartados por isso, ficando assim, sem chance de crescerem na Dominação.



Nem sempre tão bem-sucedidos, é pouco provável que algum deles tenha um helicóptero para te levar a um jantar e que deem Audis de presente.
Raríssimos terão um quarto vermelho da dor... talvez seus acessórios estejam guardados em uma pequena maleta, uma caixa ou até em uma sacola que eles carregarão consigo para o motel onde irão te levar, por não terem outro local.
Alguns poderão até ter uma patroa em casa e filhos para criar.
E em que isso os denigre?
Em nada, eles são reais, você pode sentir-lhes o toque, a respiração, tremer com a voz, com o olhar e derreter-se com um afago.



Entretanto, todo esse glamour embutido no romance torna muito mais difícil a esses senhores encontrarem a sua Anastasia Steele dos sonhos, mesmo que não exijam que ela seja uma ruiva linda e virgem de vinte e um anos, que aceitem uns (ou muitos) anos a mais, algumas ruguinhas, cicatrizes, estrias e celulites, coisas normais em mulheres normais.
Apesar disso têm a obrigação de suprirem a fantasia de alguém, de dizerem exatamente o que a "submissa" quer ouvir, de fazer as práticas que ela gostaria de experimentar, de dar os ensinamentos que ela quer receber para que venha a ser "a jóia preciosa dele", sob pena de, caso não satisfaçam essas exigências, serem massacrados nas discussões das redes sociais por não serem "dominadores de verdade". 
Óbvio que o "dominador de verdade" é aquele que faz tudo que ela quer.


Então, se entre esses senhores você, submissa, encontrar alguém que lhe faça tremer com o olhar, dobrar os joelhos com uma simples frase, se sentir verdade em suas ações, firmeza no caráter e em sua dominação, este pode ser o seu Christian Grey, não o que você sonhou depois de olhar aquele monumento na tela, mas o que vai te fazer sentir o que a pobre Anastasia jamais sentiu: a essência da verdadeira dominação, a beleza de servir e sentir-se cuidada, não por ganhar presentes caros, mas coisas que não têm preço porque será levada a um mundo rico em sensações e emoções. por alguém que é tão "de verdade" quanto você, com todas as imperfeições de um ser humano real.



Não é fácil encontrar esses Dominadores da vida real também. Há muitos Christian Greys de araque por aí, mas, quando encontrar o seu, esqueça aquele que você viu na telona; pode ser que você esteja trocando uma bela realidade por uma fantasia que nunca irá se realizar.


{Vita}_ST
Feliz Propriedade do Senhor da Torre



2 de jul de 2015

Convicções de Um DOMINADOR


Me considero um jurássico no BDSM, tenho convicções que ter uma escrava, é adestrá-la a MEU BEL PRAZER, sem negociações e sem mudanças durante seu encoleiramento. Também está fora de cogitação ALUGAR E PAGAR por isso. 

Antes de querer DOMINAR alguém é necessário ter DOMÍNIO de si mesmo! Uma frase feita, diriam alguns, mas extremamente exata. 

O DOM precisa saber o exato motivo para o qual quer uma sub, e não ME refiro ao sexo. Quero frisar que o sexo pode ser algo incluso no BDSM mas é a conclusão e não o ponto de partida.

Mas tenho visto muita coisa no BDSM atual e o que mais me incomoda é o modismo. O efeito dos tais 50 tons de besteiras ainda está presente. 

Não sou adepto de eventos BDSM, embora ache importante e muito interessante. 

Incoerência? Não, apenas tenho em meta que DEVO dedicar meu escasso tempo ao adestramento de minha escrava. E, o que vi nos eventos em que estive e o que leio atualmente, só ressaltam que MINHA opção é acertada! 




É obrigação do DOMINADOR conduzir e fazer sua sub desejar a obediência, ter a exata função que o DONO lhe der. Não é simplesmente ordenar, O DOM precisa saber o final daquele comando. E cabe a ELE, somente a ELE, decidir quando usá-la e de que forma. Esse é o verdadeiro prazer dela. 

Encontrei poucas dessas nessa minha jornada no BDSM, CONTO nos dedos de uma mão, mas encontrei verdadeiras, abnegados em SERVIR, AGRADAR, SUBMETER-SE Á MINHA VONTADE! 

Não se pode querer que, quem nunca sentiu esse desejo, o entenda. Não é simplesmente acordar e resolver servir! É desejar ter como vital importância o agradar, o prazer de ter seu DONO SATISFEITO, isso é algo que somente uma sub de alma tem.

Nem mesmo o melhor DOM pode ensinar, pode-se lapidar (algo que faço com a MINHA cadelinha) mas criar uma alma submissa nunca! E Para aqueles que não acreditam, continuem assim, sempre terão a sensação que algo faltará .



Tenho uma cadela que, entre idas e vindas está sobre meu cabresto há 3 anos! É a segunda que está há mais tempo à MINHA DISPOSIÇÃO, e por um motivo muito simples: DEVOÇÃO, OBEDIÊNCIA... palavras que hoje em dia são ditas ao léu, sem o menor significado para a maioria. 

FAÇO O QUERO, QUANDO QUERO e por que? Porque POSSO FAZER e ela anseia por isso! Foi adestrada dessa forma e assim será sua condição. 



DOM JH
Dominador, RJ